"Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna". João 6, 68














 
                    

Sexta-feira, dia 07 de Janeiro de 2011

S. Raimundo de Penhaforte, conf., +1275

image Saber mais sobre os Santos do dia


S. Raimundo de Penhaforte

Existem em S. Raimundo duas virtudes: a inteligência e a humildade. Nascido no castelo de Peñaforte, perto de Villafranca del Pañadés, estudou com tal afinco que aos 20 anos era um mestre procurado e cobiçado por todos. Aos 35 anos, vai para a célebre Universidade de Bolonha especializar-se em Direito e lá destacou-se ao passar de discípulo a mestre. No entanto, as palavras que redigiu num perfácio de um livro de Direito revelam-nos a sua virtude da humildade e a sua fé: "Leitor, sê benévolo, considera a minha intenção e não me combatas com aspereza. As coisas úteis atribui-as a Deus, se encontrares algumas inutilidades, será por me ter eu equivocado ou por tu não me compreenderes. Corrige-me com amabilidade".

Mais tarde, veste o hábito de S. Domingos, fundador da Ordem dos Dominicanos e em 1222 começa o período mais laborioso e o mais interessante do Santo. A pedido do Padre Provincial de Espanha, Raimundo escreveu uma das obras mais célebres da Idade Média, Summa de casibus paenitentialibus, onde trata questões difíceis da moral a que chamou "caso de consciência".

Quando esteve em Roma, fez um trabalho notável na compilação de Decretos, que vieram a ser a base da legislação eclesiática durante seis séculos e meio. Quando partiu de Roma, um velho escritor relatava, segundo um funcionário da cúria, sobre Raimundo: "Este homem vai-se como veio, tão pobre e tão modesto como à chegada. Não leva consigo nem ouro, nem honras, nem dignidades".

S. Raimundo era génio de altos ideais e carácter muito prático e concreto. Com intuição realista, viu que a conversão de mouros e judeus requeria a formação sólida e apóstolos decididos. Assim, contactou com S. Tomás de Aquino, que se encontrava no auge da sua actividade genial, e daí surgiu um manual apologético para os missionários. Posteriormente, fundou várias escolas com o objectivo de formar professores, mestres de missionários e verdadeiros apologetas, bem informados nas doutrinas de Alcorão e do Talmude.

A sua morte aconteceu a 6 de Janeiro de 1275 e foi canonizado em 1601.







 
©Evangelizo.org 2001-2017